Entre 2017 e 2019, consultorias internacionais como a Deloitte e a McKinsey têm colocado fortes holofotes sobre a construção modular, como a próxima grande mudança na construção.

A construção modular tem sido para mim objeto de grande paixão e dedicação. uma parte relevante do meu tempo tem sido empenhada para a estruturação de uma startup em construção modular, juntamente com alguns amigos que possuem competências complementares e têm experiência reconhecida no setor.

Nesta startup, a Aratau estamos cuidando de um desenho de processos minucioso, além de uma experiência única para a jornada do cliente. Afinal, somos inconformados com os problemas da construção tradicional e obcecados para resolver a dor dos clientes: obras que atrasam, custam mais caro e têm problemas de qualidade. Queremos transformar a construção em uma indústria moderna e eficaz, através de um sistema inteligente de construção modular, mais sustentável, com fabricação e montagem em tempo muito curto.

Nas atividades de fast construction, promove-se a simplificação de processos, a redução de interfaces e a racionalização de etapas. as diversas atividades são desenvolvidas de forma paralela ou simultânea, com grande economia de tempo. agrega-se a isso inteligência de engenharia, as melhores práticas de gestão de projeto, segundo as diretrizes do PMBOK®, do PMI e ainda, ferramentas poderosas exploradas pela fast construction e pela pré-construção. as principais são: lean construction, engenharia simultânea, engenharia e análise de valor (EAV) e target costing.

Entre 2017 e 2019, consultorias internacionais como a Deloitte e a McKinsey têm colocado fortes holofotes sobre a construção modular, como a próxima grande mudança na construção. O que elas entendem é que a construção modular tem potencial para solucionar os problemas de qualidade e a incerteza do cumprimento de prazos e dos custos planejados, frequentes na construção tradicional. Estas questões têm sido apontadas como causa de muitos desgastes com os clientes, afeta a imagem do setor e ainda, afasta investidores que preferem aportar seus recursos em setores onde há menor incerteza para a obtenção do retorno esperado para o capital investido.

Além disso, a baixa produtividade da construção tradicional tem sido apontada por estas consultorias e até pelo Fórum Econômico Mundial, como um problema maior, já que o setor de construção tem empurrado para baixo a produtividade global, quando se coloca no contexto todos os demais setores produtivos da economia mundial.

Uma boa razão para o foco no avanço mais rápido da construção modular é que, como indústria, ela olha para os projetos como produtos. As suas atividades são concentradas em uma fábrica (off-site), sob processos padronizados e controlados, com elevada produtividade. E, portanto, em uma indústria onde ocorre parte substancial das atividades que normalmente seriam realizadas no canteiro de obras (on-site), pela construção tradicional.

Com isso, reduz-se muito os riscos de atrasos, já que a construção modular concentra somente uma pequena fração de suas atividades no canteiro de obras. E é lá onde os maiores problemas da construção tradicional acontecem, sobretudo em decorrência de fatores climáticos e da necessidade de gestão e controle de um número significativo de frentes de trabalho, realizado por um grande contingente de mão de obra direta. A construção modular transforma as atividades de canteiro em uma montagem rápida, usando máxima mecanização e um número muito reduzido de profissionais especializados.

Processos modernos e automatizados de produção, usando sensores e controles eficazes, além de inteligência em logística e supply chain, em linha com as práticas dos setores mais modernos da indústria, compõem o conjunto de exigências para que a construção modular se enquadre no bloco dos setores mais produtivos da indústria. Desta forma, trabalha-se num processo de melhoria contínua, explorando como benchmark a indústria automotiva. Esta comparação é muito conveniente, já que no nível máximo de modularização da construção, a estrutura dos módulos 3D nada mais é do que algo equivalente ao chassi de um carro, no qual são fixados e acoplados todos os subsistemas industrializados, kits de instalações e demais componentes, enquanto este chassi se desloca, mecanicamente, numa linha de produção.

Nossa visão é que a mudança da construção tradicional para a construção modular em uma parte substancial dos projetos não é mais uma perspectiva distante. O mundo todo anseia por melhorias no ambiente construído e pela redução de custos de projeto, construção, manutenção e operação das edificações. investir na inovação, na tecnologia e na produtividade, com ganhos substanciais de qualidade, desempenho e produtividade é um caminho seguro tanto para o setor público e quanto para o privado, fazendo melhor uso dos recursos e obtendo maior retorno do capital investido. nesta direção, a construção modular se posiciona como, muito mais do que uma alternativa para solucionar os problemas da construção tradicional, um caminho estratégico para a transformação da construção em uma indústria moderna e eficaz.