O pavimento permeável é um sistema de drenagem sustentável que vem crescendo de uso no Brasil, sendo inclusive citado em algumas legislações. Com isso, é importante ter um modo simples e confiável de avaliar esse sistema.

A norma brasileira de pavimento permeável (ABNT NBR 16416), que já falei neste post anterior, cita um método de ensaio, mas hoje gostaria de falar do conceito por trás deste ensaio.

Quando se trata de superfícies ou pavimentos permeáveis, é comum se falar em um número percentual de permeabilidade, atribuindo-lhe um valor específico. É como dizer, por exemplo, que “um pavimento é 70% permeável”. Há também o oposto, como alguns documentos oficiais, inclusive, que dizem que pavimentos permeáveis são “considerados 30% permeáveis”.

Na verdade este número não tem muita lógica. Basta pensarmos que até mesmo um solo argiloso ou uma peça de concreto vai permitir a passagem de 100% da água, se estivermos considerando apenas o caso de uma coluna d’água posicionada sobre a superfície. Neste caso o que de fato muda é o tempo de passagem da água!

É por isso que nos pavimentos permeáveis se costuma medir o coeficiente de permeabilidade, ou condutividade hidráulica, e pode ser visto como a velocidade da água em fluir em uma superfície permeável. Nas figuras abaixo o Eng. Claudio Oliveira explica o que significa este parâmetro em um pavimento permeável.

Fonte acervo ABCP, link apresentação completa:  http://solucoesparacidades.com.br/wp-content/uploads/2017/05/13-passos-pavimentos-permeaveis.pdf

Existe ainda o coeficiente de escoamento, ou coeficiente de runoff, que representa a porcentagem da água da chuva que vai ser efetivamente transformada em escoamento superficial. Esse dado normalmente é expresso em porcentagem, e vai depender de outros fatores além da capacidade de infiltração, como a inclinação do terreno.

Em um pavimento convencional esse número gira em torno de 90%, enquanto em um pavimento permeável podemos falar em 5%. Vale lembrar que mesmo um gramado vai gerar escoamento superficial –  é só lembrar que campos de futebol precisam de sistema de drenagem! Este coeficiente é mais difícil de medir na prática e por isso que a avaliação do pavimento permeável costuma ser feita medindo o coeficiente de permeabilidade em modo análogo aos solos.

No próximo artigo vou falar detalhadamente do método de ensaio citado na ABNT NBR 16416. Enquanto isso, no site da ABCP é possível baixar um documento explicando bem essa questão da permeabilidade x escoamento. Confira lá, o download do material é gratuito e fácil de realizar.

Artigo anteriorVocê sabe o que é PPI e como ele pode te ajudar?
Próximo artigoAinda por um bom tempo, o Tijolo!
Pesquisadora no Politecnico di Milano na Seção de Ciência e Engenharia da Água (SIA) do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental (DICA). Atua como consultora e projetista na área de drenagem urbana, principalmente com os pavimentos permeáveis. Foi engenheira na área de mercado da Associação Brasileira de Cimento Portland sendo responsável pelo projeto pavimentos permeáveis e outros projetos ligados à sustentabilidade de sistemas construtivos. Participou da elaboração da norma brasileira de pavimentos permeáveis de concreto (ABNT NBR 16416). Lecionou no curso de arquitetura do Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas.