Man's hand plastering a wall with trowel. Selective focus

Vamos começar definindo bem este item. Pode se dizer emboço ou emboco. No Brasil prevalece o emboço, com cedilha.

Não confunda com reboco. Reboco – embocar outra vez – é a tal da massa fina de antigamente que ia sobre o emboço para receber pintura; naquele tempo não existia massa corrida.

No passado, mestres europeus estampavam suas habilidades esculpindo maravilhosos trabalhos sobre argamassa nas fachadas dos edifícios. Hoje vemos e admiramos estas obras nos prédios históricos, igrejas e velhos casarões. A técnica de produção e aplicação das argamassas foi transferida para nossos mestres de obras, depois virou coisa de pedreiro e por fim, de servente. Foi então que veio a industrialização, nos anos de 1980.

O reboco é quem se encarrega de regularizar a parede e servir como base para acabamentos  decorativos. O reboco tem que ser flexível, não pode ser rígido como as argamassas de cimento e areia. É aí que entra a cal, ela dá flexibilidade às argamassas.

Agora, vou te contar o pulo do gato. Não é o segredo da Coca-Cola, mas vai te ajudar por muito tempo nas suas obras. Só vou te cobrar uma pequena promessa, mas memorize isto:

A argamassa padrão é 1:3, ou seja, um volume de ligante para três volumes de agregado miúdo, a popular areia.

É este ligante – considerado somente cimento – que vamos substituir por uma mescla de cimento e cal.  Mas não um ‘meio a meio’ chinfrim. Os requisitos e propriedades do glorioso reboco exigem maior adição de cal. A dosagem correta é de 1:2, quer dizer, um volume de cimento para dois volumes de cal.

Agora, força na peruca e faça as contas comigo: 1 volume de cimento mais 2 volumes de cal correspondem a 3 volumes de ligante. Como já concordamos que a argamassa padrão se faz com 1 volume de ligante para 3 volumes de areia e meu volume de ligante já é 3, o volume de areia, portanto, será 9. Concorda?

Então o traço final ficou assim 1:2:9  (1 de cimento para 2 de cal para 9 de areia)

Não por coincidência, este é o traço que a norma estabelece para os revestimentos. Em se tratando de grandes fachadas de edifícios, tire um pouco de areia do traço. Sua argamassa vai cair para 1:2:8, que também é recomendação da norma, e ganhará mais qualidade. Deu pra entender como é que é? Então faça bom uso!

Por fim, a promessa. Memorize e prometa piamente: cal é mulher; a gente fala “a cal” e não “o cal”.

E tenho dito!

Artigo anteriorO (não tão) Novo COE ainda deixa dúvidas entre projetistas
Próximo artigoVocê sabe o que é PPI e como ele pode te ajudar?
Consultor de concreto na PETRONILHO & ENGENHEIROS ASSOCIADOS Petronilho tem uma vida inteira dedicada à tecnologia do concreto e à viabilidade de suas aplicações. Com uma equipe de engenheiros altamente especializados na disciplina, atua como consultor no mercado urbano de edificações, nas obras industriais e de infra-estrutura no Brasil, e dedica especial atenção aos projetos em concreto arquitetônico em diversos países. Foi um dos pioneiros no manejo de grandes volumes de concreto massa refrigerado no Brasil, com a construção de barragens e portos. Na última década tem se dedicado ao estudo, divulgação e emprego do concreto durável, cuja expectativa de vida saudável, sem patologia, chega aos 100 anos. O foco do trabalho é a viabilização financeira do empreendimento com o uso da inovação na construção. Consultor de tecnologia do concreto; consultor de engenharia, portos, aeroportos, grandes projetos de arquitetura, concreto gelado, concreto impermeável, concreto anti-radioativo, ressonância magnética, concreto sub-aquático, sistemas construtivos.