SSUCv3H4sIAAAAAAAEAH1QPQvCMBDdBf9DyVzQ0vpRRwc3wV0czvSQw5hIL1FE+t9NmhYziFvex73cu/d0kmXiDExSbLJ3QB6TUo5tC5aM9vQ8H3hsyJqWQAUycF2vCLZgHSOHiIGSYPHivZEc5sd/jhFno9CLfsJLYuuYNDLPdqRBSxR54mF3Dp4DmrtCMQpd/idv8P5I2aP+RsTHaWwKF9Ty1fdJeraoEGLPY7SK69Nie0ubP6hBk2BwDZnkCA8jQYWBMkmW/t7mlkw1/n5hyaKc12VdVcuiWNfVol6v/M7dB0aA6ru3AQAA

Gestão de Riscos: Porque é tão importante a ponto de ser utilizado como ferramenta de apoio para a estratégia empresarial?

SSUCv3H4sIAAAAAAAEAH1QPQvCMBDdBf9DyVzQ0vpRRwc3wV0czvSQw5hIL1FE+t9NmhYziFvex73cu/d0kmXiDExSbLJ3QB6TUo5tC5aM9vQ8H3hsyJqWQAUycF2vCLZgHSOHiIGSYPHivZEc5sd/jhFno9CLfsJLYuuYNDLPdqRBSxR54mF3Dp4DmrtCMQpd/idv8P5I2aP+RsTHaWwKF9Ty1fdJeraoEGLPY7SK69Nie0ubP6hBk2BwDZnkCA8jQYWBMkmW/t7mlkw1/n5hyaKc12VdVcuiWNfVol6v/M7dB0aA6ru3AQAA

As empresas não existem isoladas no mundo. Elas atuam em um contexto que não é totalmente controlado por elas, pelos seus gestores ou funcionários. É impossível blindar nossas empresas dos riscos que envolvem seus negócios.

Temos variáveis diversas que interferem direta ou indiretamente no rumo das empresas, e cabe a Alta Gestão definir qual vai ser o comportamento delas perante estas variáveis. Podemos chamar este comportamento como apetite a risco.

Quanto maior o apetite a risco de uma empresa, mais agressivas suas ações e maior a possibilidade de retorno, porém também maior o risco de não ter sucesso nesta investida, por isso é essencial uma boa Gestão de Riscos!

Como riscos estratégicos, podemos ter:

  • entrada em novos mercados
  • desenvolvimento de novos produtos
  • diversificação de portfólio de negócios
  • desenvolvimento de parcerias, apenas como exemplos.

 

Além destes, podemos ter ainda alguns riscos relevantes como:

  • compliance
  • variação cambial
  • “apagão” de mão de obra
  • vazamentos de produtos tóxicos
  • “incidentes” ambientais
  • eventos operacionais imprevistos, novamente apenas como exemplos.

Esta abordagem permite a análise dos riscos sob o ponto de vista da alta administração, possibilitando o desdobramento dos riscos percebidos através da:

  • identificação de causas dos riscos;
  • definição dos responsáveis para tratá-las;
  • análise dos impactos financeiros e reputacionais dele decorrente;
  • investimentos necessários para ações de mitigação;
  • análise do trade-off entre impacto e investimento necessário para mitigá-lo;
  • decisão de aceitação do risco ou implementação das ações de mitigação.

Em um processo sucessivo de análise de causa e efeito é possível detalhar as ações nos níveis julgados necessários.

Como resultado, o apetite a risco da empresa vai definir qual estratégia a ser adotada por esta em cada risco do negócios identificado na Gestão de Riscos conduzida, e com isto permitir a condução da tomada de decisões de seus dirigentes dentro da cultura da empresa.

Ou seja, o gerenciamento de riscos é ferramenta poderosa para garantir o cumprimento de objetivos e metas da empresa, com a identificação prévia destes e seu correto tratamento, compondo a estratégia empresarial para o sucesso da empresa.

Ok, você não sabe nem por onde começar: Que tal buscar ajuda? Afinal você é especialista no seu serviço, não em gestão de riscos! Talvez contratar um consultor seja um investimento, e não um custo…

Precisa de ajuda? Chame um consultor!

Pense nisto! Abraço, #gestãolegal

Arquiteta e Gerente de Projetos, Barbara Kelch Monteiro e sócio titular da Kelch Consultoria,mediadora habilitada pelo CNJ, possui MBA, PMP e MRICS, com 20 anos de experiência no Desenvolvimento de Projetos no setor da Construção e 4 anos de experiência em Auditoria, Gestão e Controle de Projetos de Engenharia e Construção na PwC e membro do DRBF – Dispute Resolution Board Foundation.