Embora a Covid-19 tenha impactado todas as empresas, quase 42% disseram que não tiveram mudança na jornada de trabalho. Porém, infelizmente, cerca de 15% dos pesquisados foram demitidos devido à redução das atividades das empresas que atuavam.

A Covid-19 vem transformando o mundo de uma forma como nunca aconteceu antes.

Novos hábitos de consumo, diferentes formas de interação e aspectos relacionados à segurança e saúde das pessoas passaram a ter uma importância maior no dia a dia.

Nesta nova realidade, como estão se sentindo os profissionais da construção? Quais são suas maiores preocupações em relação ao trabalho? Como tem sido trabalhar de casa?

Para buscar estas respostas a ConstruLiga, em parceria com a e8 inteligência, fez uma pesquisa online entre os dias 16 a 27 de abril de 2020.

A seguir são compartilhados alguns resultados, que contou com respostas de 258 profissionais, dos quais quase 40% atuam em construtoras.

Esta amostra reflete principalmente a visão de gestores, que correspondem a mais de 50% dos respondentes, ocupando cargo de gerente ou superior. Em maior parte (30%) são da área de Engenharia ou Departamento Técnico, seguido de Obras, que representa quase 20% das respostas.

Embora a Covid-19 tenha impactado todas as empresas, quase 42% disseram que não tiveram mudança na jornada de trabalho. Porém, infelizmente, cerca de 15% dos pesquisados foram demitidos devido à redução das atividades das empresas que atuavam.

Não é novidade a prática de home office durante a pandemia da covid-19, já observado em diversos mercados e setores. Esta também foi a nova realidade para quase 52% dos profissionais, que passaram a ter seu lar como novo escritório.

Esta nova forma de trabalho tem sido positiva para quase 60% dos profissionais, que disseram estar satisfeitos trabalhando em home office e consideram que não houve prejuízo na produtividade do trabalho.

A pesquisa também explorou as maiores preocupações do ponto de vista profissional. Seja empresário ou colaborador, o maior temor é que haja redução das atividades da empresa, pois isso pode acarretar em demissão (maior medo para 1/3 dos entrevistados) ou fechamento da empresa (maior medo para 1/4 dos entrevistados).

Todos sabemos que esta situação temporária vem provocando mudanças que impactam no nosso dia a dia e também vêm instigando transformações mais profundas. É um novo momento, que traz desafios complexos, mas também acelera novas formas de comunicação, interação e união para a busca de soluções com objetivos em comum.

Para finalizar, a ConstruLiga e a e8 inteligência agradecem os 258 profissionais que participaram voluntariamente da pesquisa e, como forma de retribuição e agradecimento, receberão o relatório em sua versão completa.