impermeabilização

Este é o primeiro de uma série de artigos onde se pretende abordar o tema impermeabilização, na sua forma mais ampla, com entendimento do “status quo” de produtos no mercado, bem como ser um viés à reflexão quanto à importância de se garantir a estanqueidade às áreas que assim a requeiram

Em primeiro lugar, não existe uma impermeabilização “boa” ou “ruim”. O que existe é uma impermeabilização adequada à sua realidade.

É preciso compreender que o lugar de se pensar é no projeto e o lugar de se fazer é na obra. Com a conscientização a respeito dos benefícios que esta prática pode trazer ao País, ganham o mercado e a sociedade.

Outro fator importante é ter a garantia do uso de produtos normalizados, bem como seguir as prescrições de projeto e execução de impermeabilização da ABNT. Estes são aspectos tão fundamentais que são objeto de caracterização na norma ABNT NBR 15.575:2013 – “Edificações habitacionais – Desempenho”, em vigor desde 9 de fevereiro de 2013.

Tais aspectos são determinantes na consolidação de uma cultura de confiança em torno da garantia de estanqueidade. Tanto que, quando do uso de impermeabilização, a Norma de Desempenho chama a obrigação de aplicação da ABNT NBR 9575 – “Impermeabilização – Seleção e Projeto” e da ABNT NBR 9574 – “Execução de Impermeabilização”.

Sabemos que as obrigações legais exercem uma forte pressão na criação do hábito e é muito positivo que a NBR 15575:2013 desperte a atenção de todos os envolvidos desde a formulação do projeto, na execução da obra e durante a vida útil da edificação. Incorporadores, construtores, engenheiros, projetistas, instaladores e fabricantes são responsáveis pela estanqueidade das superfícies sujeitas à umidade e têm na legislação e normas técnicas não apenas a orientação quanto ao assunto como um aliado na melhoria das edificações como um todo.

O próximo artigo será sobre “Poliureia”, no qual abordarei as vantagens, desvantagens e recomendações para o uso. Não perca.

Até lá!

Artigo anteriorGuia prático sobre BIM – Parte III: Como entender o BIM sem ser um “Expert” no assunto
Próximo artigoBIM: Localizamos 10 bibliotecas BIM de importantes fornecedores da construção civil e arquitetura
Professor na pós-graduação lato-sensu, nos cursos de patologia nas obras civis e de patologia na Impermeabilização, desde 2006, em diversas cidades do Brasil. Autor do livro "Látex Estireno Butadieno - Aplicação em Concretos de Cimento e Polímeros" Atuante desde 1978, com o conhecimento construído em atividades técnicas na criação, desenvolvimento e normalização de produtos ao mercado e de gestão em consultoria na área de tecnologia de impermeabilização de edificações residenciais, comerciais, industriais e de saneamento, proteção às estruturas de concreto e atenuação ao ruído de impacto entre lajes, elaborando projetos, procedimentos executivos, treinamentos “in company”, fiscalização de obras, objetivando dirimir dúvidas e possibilitando a implantação dos conteúdos dos projetos e normalizações, sempre com o alto padrão de excelência. Palestrante com mais de 60 trabalhos apresentados em congressos nacionais e internacionais com inúmeros artigos técnicos e matérias publicadas sobre proteção às estruturas, impermeabilização e isolação acústica, bem como atuante em comissões de estudo da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas, CB 2 - Construção Civil; CB 22 – Impermeabilização e CB 90 – Qualificação de pessoas. Diretor Técnico da A2S Engenharia e perícia.