Vimos no post anterior que a bancada pode ser instalada de diferentes formas, podendo haver cortes na parede para engasta-la ou não. Independente da forma que a bancada for instalada, é importante que o revestimento da parede seja feito primeiro.

Isso mesmo, não se assuste! O revestimento virá primeiro mesmo que tenhamos que recortar uma parte para a entrada da bancada engastada, assim você consegue um melhor acabamento do revestimento e evita danificar sua bancada.

Apesar de parecer mais óbvio fazer o revestimento depois para não danificar os azulejos, é mais complexo e exigiria muito tempo e cuidado do ladrilheiro para fazer o corte perfeito para encaixar em volta da bancada, além de muito cuidado para não danificar a pedra da bancada.

A ordem recomendada é:

  1. Colocar o revestimento;
  2. Fazer o corte da parede;
  3. Instalar a bancada;
  4. Fechar parte do buraco do recorte;
  5. Arrematar o revestimento e instalar o frontispício.

No entanto, instalar a bancada com a parede já revestida, também tem alguns inconvenientes. O frontispício ou roda-bancada cumpre a missão de arrematar o recorte feito para o engaste, mas os cantos da bancada são sempre um problema, sendo necessário substituir as peças do revestimento nesse trecho, conforme ilustrado na figura.

Uma opção é não instalar as peças de revestimento na área do canto, instalando-as somente após a fixação da bancada, evitando assim o desperdício de revestimento. Essa opção, no entanto, não resolve o problema da necessidade do ladrilheiro retornar após o trabalho do marmorista.

Mas existe uma solução perfeita! Que aprendemos com um marmorista muito esperto e vamos compartilhar com você:

Basta que se faça um pequeno recorte nos cantos do trecho da bancada a ser engastado, de modo que o canto mal arrematado fique ainda dentro da área a ser coberta pelo frontispício.

Assim você consegue evitar a volta do ladrilheiro e garante um perfeito acabamento, com risco zero de danificar sua bancada. Bom né?

Não existe opção certa ou errada, o importante é que você conhecer as consequências de cada opção para fazer a melhor escolha de acordo com as suas demandas.


Fonte: Ana Clara Soutto e Flávia Lima, Pró-Reforma

Artigo anteriorCoreia inaugura nova geração do pavimento de concreto
Próximo artigoO futuro da luz é a saúde
Arquiteta e Urbanista pela (FAU/UFRJ + Universidade do Porto). Mestre em Engenharia de Produção (COPPE/UFRJ). Doutoranda em Arquitetura (PROARQ/UFRJ) Criadora da Pró-Reforma (www.pro-reforma.com), ferramenta de apoio à tomada de decisão em projetos da CUG Consultoria, startup residente da Incubadora de empresas da COPPE/UFRJ. Professora substituta do Departamento de Projeto de Arquitetura do curso de graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo UFRJ de 2016 a 2018, ministrando disciplinas de projeto de arquitetura, projeto executivo e projeto de interiores, além disciplina eletiva “relação teoria e prática”, com foco no custo das decisões arquitetônicas. Professora do programa de Educação Continuada do IAB/RJ – IAB Compartilha. Professora da plataforma de ensino a distância EstudeAE Profissional com experiência no desenvolvimento de projetos e no acompanhamento de obras de construção e reformas desde 2007, tendo ocupado o cargo de gerente de projetos na Mareines+Patalano Arquitetura, onde atuou de 2005 a 2013, tendo participação efetiva em todos os projetos desenvolvidos pelo escritório nesse período. Experiência na execução de obras de empreendimentos imobiliários de 2007 a 2009, com atuação no canteiro em todas as etapas de execução, desde as fundações até a entrega da obra. Vencedora do prêmio Arquiteto do Amanhã (IAB/RJ).