No post de hoje vamos tentar resolver mais um dilema que quem está fazendo reforma passa. Mas afinal, o que eu faço primeiro: a pintura ou o sinteco? Bom, para poder obter essa resposta é necessário entender cada um dos processo para depois analisar todos os cenários possíveis:

O que é sinteco?

Primeiramente Sinteko é uma marca que deu origem ao nome do processo de renovação do piso de madeira, chamado “sinteco”. O processo consiste numa primeira raspagem do piso, onde se tira toda a parte suja, arranhada e já velha do mesmo, depois o piso passa por uma calafetação, onde as juntas do piso são preenchidas e por fim é passada uma resina de poliuretano para dar brilho e acabamento.

Agora vamos à análise de cenários:

Cenário 1: Primeiro a pintura e depois o sinteco

Analisando esse cenário, temos que levar em consideração que com a parede pintada antes, você não corre o risco de arranhar ou sujar o sinteco recém feito. Porém, quando você for fazê-lo, a poeira que é gerada na raspagem do piso de madeira vai deixar suas paredes bastante sujas com um tom alaranjado. Então vai ter um trabalho maior no final para poder limpá-las e a limpeza pode acabar gerando manchas na pintura

Cenário 2: Primeiro sinteco depois a pintura

Nesse cenário não tem problema sujar a parede, pois elas ainda vão ser pintadas, porém o cuidado passa a ser dobrado na hora de pintar, porque, agora com o sinteco já feito, você tem que tomar muito cuidado para não estragar o trabalho, arranhando ou sujando o piso, tendo que protegê-lo com papelão ou manta.

Cenário 3: Raspagem e calafetação do piso, pintura das paredes e depois a camada de resina

Esse é aquele cenário que os profissionais experientes criam para lidar com os problemas do tipo ovo/galinha. Ao intercalar os dois processos, você impede que a raspagem suje as suas paredes recém pintadas e também impede de arranhar e sujar sua brilhante camada de poliuretano. Mas como nem tudo são flores, esse cenário requer um maior trabalho de gestão da equipe, pois o profissional do sinteco precisará trabalhar em dois momentos distintos.

No final das contas qual cenário você vai escolher é por sua conta, mas agora você já sabe os ônus e bônus de cada um deles. Aqui na Pró-Reforma é assim: não tomamos a decisão por você, mas o apoiamos para que você faça sempre as melhores escolhas.


Fonte: Pró-Reforma

Artigo anteriorE-Book: Certificação EDGE para Greenbuldings
Próximo artigoRelé de interface: aprenda sobre esse componente
Arquiteta e Urbanista pela (FAU/UFRJ + Universidade do Porto). Mestre em Engenharia de Produção (COPPE/UFRJ). Doutoranda em Arquitetura (PROARQ/UFRJ) Criadora da Pró-Reforma (www.pro-reforma.com), ferramenta de apoio à tomada de decisão em projetos da CUG Consultoria, startup residente da Incubadora de empresas da COPPE/UFRJ. Professora substituta do Departamento de Projeto de Arquitetura do curso de graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo UFRJ de 2016 a 2018, ministrando disciplinas de projeto de arquitetura, projeto executivo e projeto de interiores, além disciplina eletiva “relação teoria e prática”, com foco no custo das decisões arquitetônicas. Professora do programa de Educação Continuada do IAB/RJ – IAB Compartilha. Professora da plataforma de ensino a distância EstudeAE Profissional com experiência no desenvolvimento de projetos e no acompanhamento de obras de construção e reformas desde 2007, tendo ocupado o cargo de gerente de projetos na Mareines+Patalano Arquitetura, onde atuou de 2005 a 2013, tendo participação efetiva em todos os projetos desenvolvidos pelo escritório nesse período. Experiência na execução de obras de empreendimentos imobiliários de 2007 a 2009, com atuação no canteiro em todas as etapas de execução, desde as fundações até a entrega da obra. Vencedora do prêmio Arquiteto do Amanhã (IAB/RJ).