poluição luminosa

A poluição luminosa parece ter piorado (e não melhorado) nos últimos anos, e parte disso tem a ver com a transição do sódio para a iluminação exterior LED, avisam os cientistas.

Uma equipe de pesquisadores que estudou imagens da Nasa diz que, nos últimos quatro anos, a área iluminada da Terra cresceu 2%. O crescimento foi mais pronunciado nos países em desenvolvimento.

Embora o aumento da prosperidade tenha representado parte desse crescimento, os cientistas acreditam que os LEDs são parcialmente culpados. Minha observação sobre este assunto é que a capacitação profissional é um grande agravante aos impactos gerados pela má aplicação da iluminação pública, com o uso de luminárias de baixa qualidade, sem controle de ofuscamento e temperatura de cor correta. Já falei deste assunto em um artigo sobre iluminação de paisagens.

A American Medical Association (AMA), entidade que visa divulgar ações mundiais referentes à saúde pública, recomenda o uso de luz quente na iluminação das cidades, de 2700 a 3000 Kelvin, e que esta luz não ultrapasse 4000K. Isto porque há pesquisas que relacionam  causas do câncer à interrupção e falhas na produção de melatonina no organismo (vide o premio Nobel de medicina 2017, sobre o ciclo circadiano).

O pesquisador chefe do Centro de Pesquisa Alemã para Geociências em Potsdam, Christopher Kyba, disse à BBC de Londres que a introdução da luz artificial era “uma das mudanças físicas mais dramáticas que os seres humanos fizeram no nosso meio ambiente no ultimo século”.

“Eu esperava que nos países ricos – como os EUA, o Reino Unido e a Alemanha – veríamos diminuições na poluição luminosa nas cidades, mas em vez disso, o que vemos são os países ficando cada vez mais brilhantes”. disse ele à BBC News.

A equipe antecipou uma diminuição do brilho nas áreas desenvolvidas e industriais, pois o alaranjado de sódio foi substituído por LEDs, mas na verdade o inverso aconteceu.

Para piorar as coisas, o sensor de luz do satélite – um radiômetro – não é capaz de medir a parte mais azul do espectro de luz que os LEDs emitem, o que significa que a poluição luminosa visível é ainda pior do que a medida.

“Porque há mais luz azul em LEDs do que em (lâmpadas de) sódio, (a poluição) é mais propensa a ser espalhada devido ao efeito Rayleigh”, explicou o Lighting Designer Alan Tulla ao editorial da LUX Magazine. “Um fator adicional seria a queda dos preços das luminárias LED globalmente”.

As descobertas certamente aumentarão a pressão sobre a indústria de iluminação para levar a poluição luminosa a sério e melhorar a óptica e controle de luz refletida.

As luminárias de sódio emitem um espectro de 589,0 a 589,6 nanômetros, quase monocromático. Pesquisas indicam que o espectro ideal a aplicação em exteriores seria de 585 a 595 nanômetros, para diminuição da reflexão e menor atração de espécies animais. Além de utilizar uma luminária Full-cut OFF (uma luminária em que não é possível visualizar a fonte de luz devido ao ofuscamento) para evitar a fototaxia positiva e o ofuscamento.

A fototaxia positiva é um fenômeno de atração da luz nos animais. Existe também a fototaxia negativa, onde a luz inibe a aproximação animal. 
 

O conceito de Poluição Luminosa é o tipo de poluição ocasionada pela luz excessiva ou obstrutiva criada por humanos. Interfere nos ecossistemas, causa efeitos negativos à saúde, ilumina a atmosfera das cidades, reduzindo a visibilidade das estrelas e interfere na observação astronômica.

Para saber mais sobre o assunto assista ao documentário da TV Escola “A Luz que vem da Escuridão”. Veja também os artigos publicados pelo Human Centric Lighting sobre o assunto “Healthcare”.

E conheça a IDA – International Dark Sky Association, uma associação destinada à pesquisas sobre a Poluição Luminosa e seus impactos nas populações humanas e animais.

Os pesquisadores citados publicaram suas descobertas na revista Science Advances.

Saiba mais sobre o assunto:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Escala_de_Bortle

https://tellescopio.com.br/poluicao-luminosa-astronomia-escala-bortle-para-ceu-escuro

http://cosmobrain.com.br/cosmoforum/viewtopic.php?f=3&t=3572

https://skyglowproject.com/

Grande abraço

 

Silvia Carneiro

É arquiteta e especialista em Iluminação e tecnologia LED, titular do escritório de Luminotécnica IRIS, um olhar para o Futuro; consultora Luminotécnica em Arquitetura & Sustentabilidade; atua em projetos Luminotécnicos e leciona nos cursos de Lighting Design.

Contato: 55.11.99222.6616
[email protected]
www.silviacarneiro.com.br

 

 

Artigo anteriorO Brasil quebrou! E agora?
Próximo artigoA concretagem e o Controle Tecnológico do concreto, com Silvio Andrade
Silvia Maria Carneiro de Campos, natural de São Paulo, onde reside, atua no mercado de iluminação LED desde 2008, arquiteta especialista em iluminação LED, com Pós Graduação em Iluminação e Design de Interiores e Master em Arquitetura & Iluminação. É titular do escritório IRIS um olhar para o futuro, e atua como Consultora de Negócios, inteligência estratégica e Relacionamento à industrias de iluminação, oferecendo atendimento técnico aos arquitetos e especificadores luminotécnicos em Projetos com tecnologia LED e Projetos Luminotécnicos de diversos seguimentos. Também dá aulas de iluminação em cursos de Pós Graduação. Certificada em Acessibilidade pela SMPD-SP foi colaboradora no CB-40 comitê de acessibilidade na revisão da ABNT 9050/15 e do comitê CB-03 COBEI da ABNT, onde participou da revisão das normas ABNT 5101 (Iluminação Pública) e 5413 (Iluminação de ambientes de trabalho, atual ABNT ISO/CIE 8995-1). Atualmente é colaboradora do grupo de projetos luminotécnicos da Comissão de Estudo Especial Modelagem da Informação da Construção (BIM) – Grupo de Trabalho sobre Componentes BIM ABNT/CEE-134