A Rio-Niterói, que em 2024 completará 50 anos desde a sua inauguração, está perdendo o posto de a maior ponte do Brasil. O título vai migrar para a obra que será construída entre a cidade de Salvador e a ilha de Itaparica, na Bahia. Com 15 mil metros de extensão, o empreendimento irá superar a Rio-Niterói (13.290 metros) em mais de um quilômetro. O projeto básico está a cargo do engenheiro civil Catão Francisco Ribeiro, diretor-executivo da Enescil. Catão se formou no inicio dos anos 70 e trabalha até hoje, por isso é considerado uma lenda em engenharia de pontes.

Catão Francisco Ribeiro deu detalhes da obra por seu trabalho com pontes estaiadas. “Esse empreendimento que vamos construir na Bahia será um orgulho para a engenharia brasileira. Ela não será maior que a Rio-Niterói apenas em extensão, mas em trecho sobre o mar. Terá doze quilômetros em trecho de mar contra nove da Rio-Niterói. Além disso, terá o maior vão livre em concreto do mundo. Serão 600 metros, superando os 520 metros de uma ponte existente na Suécia”, disse o engenheiro.

Obviamente, a ponte Salvador-Itaparica será estaiada. A diferença para outras que projetou, revela Catão Francisco Ribeiro, é que ela será toda em concreto, dispensando componentes em aço.  “Não terá nada de aço, porque a maresia na Baía de Todos os Santos é alta e o aço não resistiria”, afirma. Pelos cálculos iniciais do especialista, o empreendimento deverá consumir até um milhão de m³ de concreto. “Estamos falando de uma ponte que será a 10ª maior do mundo. Só não terá uma posição melhor neste ranking porque os chineses têm construído pontes muito longas”, completa.

A ponte Salvador-Itaparica encontra-se na fase de batimetria e a expectativa é que as obras comecem efetivamente em novembro ou dezembro desse ano. “A previsão é que ela seja inaugurada em quatro anos″, diz Catão Francisco Ribeiro. O empreendimento terá um custo de R$ 7 bilhões e será bancado por uma parceria público-privada. Junto com a ponte, serão feitas requalificações de outras obras viárias e urbanas já existentes na região de Salvador, de onde a estrutura partirá em direção a Itaparica. Com mais de 30 metros de largura, a Salvador-Itaparica terá diversas faixas de tráfego e pista de acostamento.

A expectativa do governo da Bahia é que a ponte Salvador-Itaparica traga um impacto econômico para o litoral sul do estado, permitindo a criação de um novo polo industrial e logístico na Região Metropolitana de Salvador. Paralelamente à elaboração do projeto básico, foram feitos no local da futura obra estudos de engenharia, de impactos ambientais (EIA-Rima) e urbanísticos, assim como estudos hidráulicos-marítimos, além de licitação para estudos culturais e imateriais.

Esse será um equipamento de enorme importância social para os baianos e ainda será um grande ponto turístico, por ser uma gigantesca ‘obra-de-arte’ que ficará internacionalmente conhecida.

Fonte: Acesse Política.