Por Jovem Pan. A compra de um imóvel sempre é muito bem planejada dentro do orçamento das famílias e o momento é propício para fazer um bom negócio. “É um momento bom para comprar porque o imóvel vai subir de preço por conta dos insumos. Os incorporadores sabem fazer conta, eu acredito que estejam até atrasando um pouco os orçamentos para ter um ajuste nos custos, e vão colocar seus preços corretos para que as suas empresas continuem com as margens boas para poder praticar”, afirmou Odair Senra, presidente do Sindicato da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon). A fala do especialista condiz com quem vive o dia a dia da construção e prevê a elevação dos preços dos imóveis nos próximos meses devido a alta nos valores dos insumos imprescindíveis para o setor como, aço, cimento, cobre, alumínio, entre outros.

Sócia-diretora de uma construtora, Cecília Cavazani indica que o aumento no custo da Energia é outro fator que deve agravar ainda mais o cenário atual. “O consumo da energia no canteiro de obra é importante para a utilização dos nossos equipamentos, mas o que mais preocupa não é o consumo na obra, e sim o reflexo nos preços dos insumos, como alumínio, cimento e aço, os mais envolvidos, o uso de energia elétrica… Mas acredito que vai afetar outras coisas, como cerâmica, vidro. Nisso, todo custo global da obra passa a ser aumentado”, afirmou. A indústria da Construção gerou R$ 288 bilhões em valor de incorporações, obras e serviços em 2019, segundo a Pesquisa Anual da Indústria da Construção. Houve perda de participação das Obras de infraestrutura baixando de 44,1% para 32,2%. Já a construção de edifícios avançou, saltando de 39,1% para 44,2%. A maior alta ficou por conta dos serviços especializados, que pularam de 16,8% para 23,6%.