Ford Credit

Quando eu cursava a Universidade, lá atrás na década de 1980, como bom idealista, eu queria fazer a revolução e transformar o mundo. O tempo passou, a revolução não veio e em seu lugar a corrupção tomou conta do País. E achei que minha geração tinha fracassado. Até que me dei conta de que o mundo mudou sim: o poder trocou de mãos!

Vejam só: a Lava Jato colocou políticos e executivos na cadeia, presidentes foram depostos no Brasil e na Coréia do Sul, jovens com uma boa ideia, através do apoio de milhares de pessoas – crowdfunding -, criam negócios bilionários; empresas fecham as portas após denúncias de discriminação nas redes sociais; comunidades de pessoas com problemas comuns de saúde se conectam no mundo todo e aceleram a busca de soluções; o Projeto Genoma Humano, visto como impossível, concluiu sua tarefa antes do prazo e transformou a Ciência. Apenas alguns poucos exemplos de que hoje as pessoas têm o poder em suas mãos, ao toque da tela do celular.

A finalidade e a forma da utilização deste poder é o que decidirá o rumo para onde levaremos o mundo. As organizações são um reflexo da sociedade e ninguém mais aceita gestores tiranos e práticas discriminatórias. A pesquisa de ambiente de trabalho que o Great Place to Work conduz em 50 países já atinge 20 milhões de pessoas, dizendo o que elas querem e o que não aceitam. Por isso, o maior desafio que temos é a preparação de uma nova liderança, voltada a construir uma sociedade melhor, colocando as pessoas no centro da organização.

Um detalhe muito importante: líder não é o chefe mas sim qualquer pessoa que exerce influência positiva ao seu redor, independente de sua posição hierárquica na empresa ou papel na sociedade. E vejam que curioso: esta nova liderança tem algumas características comuns: influenciam pelo exemplo, por meio de ações simples e efetivas, partindo do diálogo, desenvolvendo o ouvido. Esta semana tive a oportunidade de visitar o presidente da Ford Credit, José Muniz Netto e entender melhor porque a empresa é uma das Melhores para Trabalhar no Brasil há vários anos.

  • Primeiro: líderes, como Netto, inspiram suas equipes com postura otimista, mesmo diante de cenários econômicos difíceis. A dificuldade externa está colocada para todos mas as excelentes empresas reúnem suas equipes em torno de propósitos inspiradores e baseados em valores.
  • Segundo: proximidade com as pessoas. De nada adianta uma política de portas abertas se ninguém entra. O melhor é ir até as pessoas, estimular o relacionamento, ouvir, dialogar.
  • Terceiro: parece que todos os excelentes gestores de pessoas são muito criativos no que se refere a criar práticas para estimular e integrar suas equipes. Na Ford Credit por exemplo, eles promovem o Cafezão, que é um momento que acontece todas as sextas, quando as áreas se reúnem para iniciar o dia de trabalho e finalizar a semana. É um momento de interação entre as equipes de uma maneira leve, cada um leva um item e desta forma a empresa estimula a colaboração para que o Cafezão aconteça. Além disso, a empresa tem outros programas voltados para saúde e bem-estar de seus colaboradores dentro e fora da empresa, tais como ações de saúde para combate ao colesterol, diabetes, hipertensão arterial ou até eventos, palestras, caminhadas e corridas que fortalecem a autoestima de seus colaboradores.

Pessoal: o mundo está sim se transformando muito rapidamente. A boa notícia é que pode ser para muito melhor. O poder está, sim, em nossas mãos, mas precisamos trabalhar bastante. Mãos à obra!

 
Artigo anteriorComo trocar lâmpadas fluorescentes por LED?
Próximo artigoConstrução civil de São Paulo assina convenção coletiva e greve é encerrada
RUY SHIOZAWA Engenheiro de Produção e Mestre pela Escola Politécnica da USP Especializações no IMD (Suiça), Wharton (EUA), AOTS (Japão) e IESE (Espanha) Atualmente CEO do Great Place to Work Brasil Foi Diretor de Pré-Vendas e Relacionamento com Clientes na Telefônica Empresas Foi Vice-Presidente / Diretor / Executivo em diversas empresas, incluindo GVT (telefonia fixa), ATL (atual Claro, telefonia celular), Banco Popular do Brasil, Grupo VR (serviços financeiros), Diageo (consumo), Dow Química Responsável pela montagem e desenvolvimento de grandes equipes Foi membro do Conselho de Administração em empresa de internet Foi eleito Executivo de TI do Ano em 2002; recebeu 6 outros prêmios nacionais e internacionais Palestrante em inúmeros eventos no Brasil, Argentina e Inglaterra e colunista em diversas publicações em negócios, gestão e tecnologia Autor do livro “Qualidade no Atendimento e Tecnologia de Informação” pela Editora Atlas; co-autor de "Transformando a Cultura do Ambiente de Trabalho" pela Primavera Editorial e co-autor de “Temas Avançados em Qualidade de vida”, organizado por Alberto Ogata Specialties: Companies Start-Up; Project Management; New Business Development; Companies Evaluation; Business Strategy; IT Strategy & Governance; Systems Development & Implementation. DANIELA DINIZ Daniela é jornalista formada pela Faculdade Cásper Líbero e tem especialização em Recursos Humanos pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com mais de quinze anos de experiência na cobertura da área de Gestão de Pessoas, tem passagens pelas revistas Exame, Você S/A e Você RH. É também autora do livro Grandes Líderes de Pessoas – A trajetória dos líderes de Recursos Humanos mais influentes do Brasil e seu legado para as futuras gerações (Editora Benvirá). Desde 2016 é responsável pela área de Conteúdo e Eventos do Great Place to Work, atuando diretamente na criação e realização de eventos voltados aos principais líderes da organização e na produção de conteúdo sobre o mundo do trabalho.