[fusion_builder_container hundred_percent=”no” equal_height_columns=”no” menu_anchor=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”center center” background_repeat=”no-repeat” fade=”no” background_parallax=”none” parallax_speed=”0.3″ video_mp4=”” video_webm=”” video_ogv=”” video_url=”” video_aspect_ratio=”16:9″ video_loop=”yes” video_mute=”yes” overlay_color=”” overlay_opacity=”0.5″ video_preview_image=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” padding_top=”” padding_bottom=”” padding_left=”” padding_right=””][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”1_1″ layout=”1_1″ background_position=”left top” background_color=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” border_position=”all” spacing=”yes” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” padding=”” margin_top=”0px” margin_bottom=”0px” class=”” id=”” animation_type=”” animation_speed=”0.3″ animation_direction=”left” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” center_content=”no” last=”no” min_height=”” hover_type=”none” link=””][fusion_text]

Madeira, metal, plástico, papelão ou fibra de vidro? Com tantos detalhes e variáveis, o Blog da ConstruLiga preparou um artigo explicando quais são os tipos de fôrmas para moldar concreto, suas funções e características. Confira!

Fôrmas metálicas

O sistema de fôrmas metálicas é fabricado totalmente em aço de alta resistência, incluindo os acessórios e itens de consumo. O sistema prevê painéis bem estruturados, que resistem a grandes pressões durante as concretagens. Os tamanhos de painéis são muitos, o que torna esse tipo de fôrma mais versátil para diversas aplicações em diferentes tipos de estruturas.

image3

De acordo com o site AECweb www.aecweb.com.br – por se tratar de um sistema de mecânica simples, as fôrmas metálicas não requerem mão de obra especializada, visto que seus painéis e componentes leves permitem que um único trabalhador faça a montagem do sistema.

Além disso, as fôrmas metálicas com suas faces constituídas em chapa de aço de alta resistência proporcionam um ótimo acabamento espelhado da superfície do concreto. Outro beneficio do sistema de fôrma metálica é a garantia do volume de concreto a ser utilizado, como explica o engenheiro Vinicius Farias Santos, pós-graduado em Gerenciamento de Projetos na norte-americana UC Berkeley, no site AECweb: “Por se tratar de um sistema milimetricamente fabricado, os tensores, por exemplo – peças que unem os painéis e que fazem o fechamento dos dois lados de uma parede -, asseguram a espessura desejada dessa parede. Além disso, resistem junto com os painéis e seus acessórios aos esforços durante a concretagem”.

O sistema pesa 29 kg/m² e o painel de maior dimensão com 600 mm x 1200 mm pesa 22 k.

 

Fôrmas de madeira

Muitas são as razões para as fôrmas de madeira ter seu uso mais difundido na construção civil. Entre elas estão: a utilização de mão-de-obra de treinamento relativamente fácil (carpinteiro); o uso de equipamentos e complementos pouco complexos e relativamente baratos (serras manuais e mecânicas, furadeiras, martelos etc.); boa resistência a impactos e ao manuseio (transporte e armazenagem); ser de material reciclável e possível de ser reutilizado, em obras para diferentes fins, e por apresentar características físicas e químicas condizentes com o uso (mínima variação dimensional devido à temperatura, não-tóxica etc.).

image1

As restrições ao uso de madeira como elemento de sustentação e de molde para concreto armado se referem ao tipo de obra e condições de uso, como por exemplo: pouca durabilidade; pouca resistência nas ligações e emendas; grandes deformações quando submetida a variações bruscas de umidade; e ser inflamável.

É importante ressaltar também, que uma fôrma de madeira que atenda as normatizações, e desde que manuseada corretamente, pode ultrapassar até 30 reutilizações em processos de concretagem.

 

Fôrmas de tábuas

As fôrmas podem ser feitas de tábuas de pinho (araucária – pinheiro do Paraná); cedrinho (cedrilho); jatobá e pinus (não-recomendado). O pinho usado na construção é chamado de pinho de terceira categoria ou 3ª construção ou IIIªC. Normalmente, as tábuas são utilizadas nas fôrmas como painéis laterais e de fundo dos elementos a concretar. Algumas madeireiras podem fornecer, ainda, pinho tipo IVª Rio com qualidade suficiente para serem usadas como fôrmas na construção.

image2

 

Fôrmas mistas

Geralmente são compostas de painéis de madeira com travamentos e escoramentos metálicos. As partes metálicas têm durabilidade quase que infinita (se bem cuidadas) e as peças de madeira tem sua durabilidade restrita a uma obra em particular ou com algum aproveitamento para outras obras.

image4

 

Fôrmas de PVC

A tecnologia Concreto-PVC segue um conceito bem simples. Trata-se de um sistema modular constituído por painéis leves de PVC, de encaixe simples e rápido dos módulos, com espessuras e alturas variáveis dependendo do projeto, e que são preenchidos internamente com concreto e aço estrutural.

Essa “nova maneira” de construir aumentou a competitividade ao sistema convencional. A tecnologia foi desenvolvida pela Royal Group Techonologies, no início da década de 80, no Canadá. Chegou ao Brasil, em 1998, com a construção de uma escola no município de Macaé, no Rio de Janeiro e, hoje, soma mais de 500.000 m² de área construída nos mais diversos tipos de projetos, de casas populares do programa “Minha Casa, Minha Vida”.

image5

Começando pela montagem, a redução de custo com mão de obra é de aproximadamente 70% em relação ao sistema convencional, pois não é necessária a utilização de equipamentos pesados, como guindastes, e nem de ferramentas especiais.

Outra vantagem da tecnologia é uma construção limpa, sem entulho e sem desperdício (com redução de aproximadamente 90% em relação às obras convencionais), além do PVC ser reciclável. Há, ainda, uma economia de até 73% no consumo de energia elétrica e 75% no consumo de água durante a obra, o que a torna altamente sustentável do ponto de vista de preservação do meio ambiente.

 

Fôrma de papelão

As formas de papelão, também chamadas de tubos de papelão, possuem grandes vantagens em relação às formas tradicionais de madeira e metálicas por serem leves e de fácil manuseio, além de chegarem à obra prontas para utilização sem a necessidade de montagem. Os tubos recebem uma proteção interna e externa de uma película inerte, permitindo que a forma não reaja com o concreto e que não absorva água. Também possui alta rigidez, alto índice de isolamento térmico e acústico, e cria vazios nas peças de concreto com a finalidade de aliviar cargas e economizar materiais.

image6

Entretanto a característica mais interessante é a sua vantagem ecológica: o papelão após a desforma pode ser reciclado novamente, basta ser direcionado à uma central de reciclagem; portanto a cadeia produtiva se fecha e a obra não gera resíduos prejudiciais ao meio ambiente.

As formas já foram utilizadas em diferentes obras como casas, viadutos, estádios e prédios. Alguns exemplos de construções em que ela foi utilizada recentemente: Biblioteca Brasiliana, estádio Maracanã, Centro Administrativo do DF, edifício Infinity, Parque Olímpico do Rio de Janeiro, Centro Paraolímpico de Treinamento, Shopping Cidade Jardim e WTorre Morumbi.

 

Fibra de vidro

As fibras de vidro são empregadas em aplicações técnicas diversas. Recentemente também passaram a ser utilizadas no concreto. Muitas vezes, as fibras de vidro para concreto concorrem com as microfibras ou fibras de polipropileno na utilização.

image7

O sistema não tem peças soltas, o que torna a montagem simples e fácil, com equipe reduzida de operários. Com 20 kg/m², o sistema aceita qualquer tipo de concreto e pode ser reutilizado centenas de vezes. A montagem do sistema dispensa os tradicionais travamentos. Os próprios painéis são capazes de resistir à pressão do concreto durante o lançamento.

 

Dicas para fôrmas de concreto

Na construção civil, sempre foi certo consenso deixar para que encarregados e mestres ficassem responsáveis pela definição das fôrmas, acreditando-se no critério adotado para dimensionamento prático fosse suficiente para garantir a estabilidade das estruturas provisórias. Pouca atenção foi dispensada para os custos decorrentes da falta de um rigor maior no trato das fôrmas.

image8

Atualmente, com o alto custo da madeira, a necessidade de maior qualidade (controle tecnológico dos materiais), a redução das perdas (materiais e produtividade da mão-de-obra), redução de prazos de entrega (competitividade) etc, é imperioso que o engenheiro dê a devida importância ao dimensionamento das fôrmas e escoramentos provisórios considerando os planos de montagem e desmontagem e o reaproveitamento na mesma obra.

 

[/fusion_text][fusion_content_boxes layout=”icon-on-side” columns=”1″ title_size=”” title_color=”” body_color=”” backgroundcolor=”” iconcolor=”#ff0000″ icon_circle=”” icon_circle_radius=”” circlecolor=”#ffffff” circlebordersize=”” circlebordercolor=”#f44336″ outercirclebordersize=”” outercirclebordercolor=”” icon_size=”” icon_hover_type=”pulsate” hover_accent_color=”” link_type=”” link_area=”” link_target=”” icon_align=”left” animation_type=”” animation_delay=”” animation_offset=”” animation_direction=”left” animation_speed=”0.3″ margin_top=”” margin_bottom=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=””][fusion_content_box title=”Gostou?!” backgroundcolor=”rgba(239,239,239,0)” icon=”fa-heart” iconflip=”” iconrotate=”” iconspin=”no” iconcolor=”” circlecolor=”” circlebordersize=”” circlebordercolor=”” outercirclebordersize=”” outercirclebordercolor=”” image=”” image_width=”35″ image_height=”35″ link=”” linktext=”Read More” link_target=”” animation_type=”” animation_direction=”left” animation_speed=”0.3″ animation_offset=””]

Então compartilhe esse conteúdo e acesse o Blog da ConstruLiga para ficar por dentro dos melhores artigos sobre a Construção Civil.

[/fusion_content_box][/fusion_content_boxes][/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]