Falta de cumprimento de prazos, baixa produtividade, queda na qualidade e prejuízos financeiros são algumas das principais consequências negativas da falta de um correto processo de gerenciamento de obras. Em se tratando de buscar bons resultados de eficiência e produtividade, o ponto de partida é, sem dúvida, um bom planejamento.

Vamos, então, falar sobre eficiência na gestão do processo construtivo e do importante papel cumprido por empresas gerenciadoras de obras? Siga a leitura e fique por dentro de insights valiosos para o sucesso da sua obra.

Você vai entender melhor os aspectos a considerar para um correto planejamento, levando em conta os fatores e mecanismos de acompanhamento e controle e o papel da aplicação de princípios de inteligência ao gerenciamento de obras.

O que é um gerenciamento de obra eficiente?

Em se tratando do contexto da construção civil e, especialmente, dos canteiros de obras, o processo de gestão passa por alguns quesitos dificultadores. Um desses pontos é, por exemplo, a baixa qualidade dos projetos e a manutenção de alguns paradigmas tradicionais no processo de gerenciamento de obras. Afinal, estamos falando de um setor que ainda aparece como o segundo pior em termos de adoção de tecnologia e com recorrentes quedas de produtividade e desempenho nos últimos 20 anos (é o caso do Brasil).

Portanto, é fundamental repensar formas de investir em potencialização de competitividade e eficiência. Para isso, é possível contar com o apoio de “novas” propostas metodológicas, que sistematizam passos e etapas, guiando a dinâmica de gerenciamento.

Como fatores fundamentais na equação de uma gestão de obra eficiente, entram em jogo planejamentos adequados de produção, operação e logística.

Além disso, é preciso desenvolver processos que englobem gerenciamento de recursos, prazos e pessoas. Para completar, ainda é necessário ter em mente políticas de gestão de pessoas, qualidade, segurança e meio ambiente.

Ou seja, estamos falando de um amplo e complexo conjunto de atividades cuja operacionalidade não é nada simples, principalmente, em se tratando da condução de diversos canteiros em paralelo, como ocorre na rotina de muitas construtoras e profissionais gestores.

A contribuição das empresas gerenciadoras de obras

O foco de colaborar no estabelecimento de instrumentos e ferramentas que apoiem todo esse processo de gerenciamento e controle da execução de obras está no centro da atividade das empresas gerenciadoras de obras. São players especializadas em planejar e acompanhar a execução de obras, garantindo desempenho, qualidade e melhores resultados, sem onerar o orçamento do projeto.

Por sinal, o pioneirismo no conceito de Inteligência de Obra reside, justamente, no posicionamento de algumas empresas nesse perfil de gerenciadora. A partir da aplicação de metodologias inteligentes no processo de gestão da obra, diretores, engenheiros e gestores conduzem um processo decisório com o suporte de dados durante todas as atividades a realizar antes e durante a execução da obra. Além disso, esse “novo” jeito de fazer engenharia, envolve a captação e organização de dados e informações, que permitem acompanhamento e monitoramento de resultados.

Num processo cujo ponto de partida é um diagnóstico detalhado que dá base a um planejamento executivo, onde o acompanhamento e controle com definição de indicadores de desempenho torna possível o controle efetivo sobre cada atividade e profissional envolvido. É um contexto que também torna possível mapear tendências e cenários, lançando mão do suporte de relatórios específicos que permitem a constante análise e efetivação de possíveis medidas corretivas.

Então chegamos a conclusão que a Inteligência de Obra é a metodologia que une inovação, tecnologia e acompanhamento presencial e personalizado, realizada por uma equipe altamente especializada e profissional, criando assim uma base sólida para o correto gerenciamento do projeto. Portanto, a garantia da qualidade, dos prazos e dos custos, é que está na base da atividade de uma empresa gerenciadora de obras e da Inteligência de Obra.

Neste sentido entender a importância de cada ente desta cadeia, se torna vital para o futuro das construtoras.