A Norma de Desempenho, NBR 15.575, chegou para modificar nossos conceitos de projeto e construção de nossas edificações. O ponto principal desta norma é que ela não é uma norma prescritiva, que fixa tipo e qualidade de materiais, espessuras mínimas, etc…

Assim, cada sistema construtivo preciso atender às prescrições da Norma de Desempenho, além das exigência próprias de cada sistema: NBR6118 para o concreto armado, NBR15961 para a alvenaria estrutural e NBR16055 para as paredes de concreto.

 

imagem

A Norma de Desempenho tem 6 partes. As duas partes principais a serem atendidas são a parte 2 , de estrutura, e a parte 4, de vedações. A grande diferença entre os sistemas é que a alvenaria estrutural e as paredes de concreto já são simultaneamente estrutura e vedação. Assim a nossa grande preocupação é a alvenaria de vedação que vai ser colocada entre as vigas e pilares do sistema convencional de concreto armado.

O primeiro grande problema é que, na maioria das vezes, não existe projeto ou mesmo especificação do que utilizar como alvenaria de vedação. Em consequência, não conheceremos também os detalhes de ligação entre a alvenaria e a estrutura de concreto armado. Temos que trabalhar pensando às vezes na estrutura, às vezes na alvenaria e algumas vezes no conjunto entre elas e outros subsistemas, como esquadrias, revestimento, etc…

Cópia de Fachada - Company-vedação - 03

Para verificar o atendimento da “Norma de Desempenho, parte 2 – estrutura”, precisamos inicialmente obedecer aos itens da norma prescritiva, a NBR6118. Com isto já garantimos que as tensões e deformações estão dentro dos limites especificado, assim como a vida útil da estrutura de 50 anos.

Em seguida começamos a pensar na “parte 4 – vedações”. Teremos os ensaios mecânicos que deverão ser feitos no conjunto estrutura-vedação: corpo mole, corpo duro, corpo mole na porta, batidas de porta, arrancamento horizontal e arrancamento inclinado. Os ensaios de corpo duro, batidas de porta e os arrancamentos são mais característicos da alvenaria de vedação. Já os ensaios de corpo mole, na parede e na porta dependem dos dois sistemas, pois a alvenaria transferirá os esforços para a estrutura.

imagem2

Os requisitos de estanqueidade e isolação térmica durante um incêndio são características da alvenaria de vedação. Mas a estabilidade ocorrerá em dois momentos: integridade da alvenaria e depois da estrutura como um todo. Neste caso, assim como no quesito estanqueidade à água, vão ser muito importantes os cordões de assentamento (longitudinal, transversal e vertical) assim como o tipo de ligação da alvenaria com a estrutura ( nos pilares e no encunhamento junto ao fundo das vigas).

imagem3

O conforto térmico e acústico será sempre caracterizado pelo conjunto de estrutura, mais vedações, mais revestimento , mais esquadrias. É um conjunto muito complexo sendo a alvenaria de vedação e esquadrias os fatores mais determinantes. Já temos alguns fabricantes de esquadrias com produtos ensaiados e com índices determinados. A maior dúvida é que material estamos usando para a vedação e qual o seu comportamento. Em alguns casos de blocos cerâmicos e para os blocos de concreto de vedação normalizados, temos estes valores. Para os demais recomenda-se os ensaios in loco.

Vimos que é muito difícil ter parâmetros prévios para um sistema que pode variar tanto. Temos bons resultados em algumas situações. Mas para a grande maioria do mercado não temos nenhum dado que possa embasar previamente a indicação de utilização de determinado material. As construtoras, neste caso, precisarão fazer os ensaios caso a caso.

Artigo anteriorComo Construir uma Carreira Internacional em Engenharia (Parte 3)
Próximo artigoA Análise de Valor Agregado como ferramenta gerencial
Engenheiro civil pela Escola Politécnica da USP em 1977 Pós graduação em Engenharia de Estruturas pela Poli-USP Ex-professor da Poli-USP em resistência dos materiais e concreto armado Ministrou matéria de Alvenaria Estrutural da UNICAMP em convênio com a ABCP Diretor da Wendler Projetos e Sistemas Estruturais, em Campinas Coordenador da Norma Brasileira de Paredes de Concreto-NBR16055 Integrante da comissão de revisão da Norma de Alvenaria NBR15961 Coordenador de Alvenaria Estrutural nas comunidades da construção de Campinas, Belo Horizonte, Brasília , Goiânia, São José dos Campos e Sorocaba Palestrante de alvenaria estrutural e paredes de concreto pela ABCP, Sinduscon’s e várias entidades