Os templos religiosos são ambientes amplos, que podem ter aglomeração de pessoas confinadas em um espaço fechado, construídos em geral com materiais acusticamente reflexivos.

A acústica tem um papel primordial em templos religiosos. Em primeiro lugar é importante entender a relação da propagação sonora e o espaço arquitetônico, assim como os sons diretos e refletidos são percebidos pelos ouvintes, dentro do previsto no programa de música e fala de cada igreja.

Os templos religiosos são ambientes amplos, que podem ter aglomeração de pessoas confinadas em um espaço fechado, construídos em geral com materiais acusticamente reflexivos. Estes fatores, quando somados com o ruído externo ao edifício, podem prejudicar significativamente a qualidade da mensagem a ser passada aos ouvintes. Não basta apenas corrigir as deficiências acústicas do espaço através de sistemas de som mais caros.

Inteligibilidade

Acústica é sobre como otimizar um espaço para qualidade de som e objetivos específicos, como inteligibilidade de fala e apresentações musicais. Trabalhar o condicionamento acústico é essencial para que haja compreensão e clareza sobre a fala do orador.

Na comunicação oral, a inteligibilidade mensura o quão compreensível a fala é em determinadas condições. A inteligibilidade é afetada pelas características do sinal sonoro (música, fala), o tipo e nível de ruído residual, reverberação e as propriedades do sistema de áudio, quando for aplicável. Portanto, é importante considerar todos estes pontos em conjunto.

A reverberação, importante requisito a ser atendido, se dá através da relação adequada entre som direto e som indireto, obtida pela combinação das formas geométricas do espaço com as características de reflexão e absorção sonora de cada material de revestimento.

Além disso, é essencial avaliar os níveis de ruído emitidos por instalações prediais de elétrica, hidráulica e ar condicionado para atender ao critério de ruído residual para os ambientes do templo.

Normas e requisitos de desempenho acústico

Para avaliação de níveis de pressão sonora externos ao edifício se aplicam:  a legislação municipal, a resolução do CONAMA e a ABNT NBR 10151:2019 (Versão Corrigida:2020)  –  procedimento para medição e avaliação de níveis de pressão sonora em ambientes externos às edificações, em áreas destinadas à ocupação humana, em função da finalidade de uso e ocupação do solo;

Para critérios de níveis de pressão sonora internos e metodologia de medições se aplica a ABNT NBR 10152:2017 (Versão Corrigida:2020)  Acústica — Níveis de pressão sonora em ambientes internos a edificações.

Para metodologia de medição de tempo de reverberação se aplica a ABNT NBR ISO 3382-2:2017   Acústica – Medição de parâmetros de acústica de salas – Parte 2: Tempo de reverberação em salas comuns.

Como corrigir as deficiências acústicas em templos religiosos?

Uma vez identificados, através de medições e diagnóstico feitos por um especialista, as questões acústicas podem ser corrigidas usando materiais com absorção sonora: tecido, painéis perfurados, espuma ou produtos de fibra de vidro, por exemplo.

São inúmeras as opções disponíveis no mercado. Os materiais absorvedores podem ser colocados em uma ampla variedade de locais, desde o forro, paredes ou mobiliário estofado.

É preciso controlar a propagação de ecos através da absorção sonora e utilizar a difusão com o objetivo de melhorar a qualidade acústica do ambiente.  A localização e a escolha de materiais absorventes é uma decisão estética tanto quanto acústica, e os consultores trabalharão com arquitetos e designers de interiores para garantir que esses tratamentos atendam ao projeto da igreja.

Outro ponto chave neste processo é evitar atenuação sonora excessiva, a ponto de afetar a vivacidade do espaço. Isso deve ser considerado em conjunto com o estilo de adoração que o templo adota.


Fonte: Acústica em templos religiosos

Artigo anteriorConstrução de parque na orla da Lagoa de Piratininga começa este mês
Próximo artigoO home office vai matar os imóveis compactos? A Vitacon aposta que não
Andrea Destefani, sócia e gestora da área de acústica na Ca2, é Arquiteta Urbanista pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) com formação complementar pela Goldsmiths College – University of London. Mestre em acústica de edificações pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT).Atua desde 2012 na área de consultoria em acústica incluindo projetos de destaque no mercado brasileiro e internacional. Participou de projetos como teatros, auditórios, salas de concertos, escolas, edificações corporativas, shoppings, hospitais, empreendimentos residenciais, hotéis e templos religiosos. Possui vasta experiência em coordenação de projetos para condicionamento e isolamento acústico: NBR 15575, medições de ruído, simulações computacionais, acompanhamento de obra e ensaios acústicos. Participa ativamente de congressos e em grupos técnicos na Associação Brasileira de Acústica (ProAcústica).